Amor Sacrifical

Desde que eu soube deste caso, nunca o esqueci. Para mim, é um dos melhores exemplos do que é o amor verdadeiro, o amor-sacrifício. Jan Grzebski era um ferroviário polonês. Em 1988 ele sofreu um forte golpe na cabeça enquanto tentava engatar dois vagões de trem e entrou em coma. Jan foi desenganado pelos médicos, que também encontraram um câncer em seu cérebro. Segundo eles, a recuperação era impossível, e ele não sobreviveria. Gertruda Grzebska, esposa de Jan, ignorou aquela palavra derrotista e decidiu levá-lo para casa e cuidar dele sozinha.

Jan não falava, não andava, não se comunicava de maneira alguma, nem interagia. Todo relacionamento que tiveram não existia mais, o marido forte com quem convivia há anos era agora um bebê totalmente dependente de seus cuidados. Ela terminou de criar sozinha os filhos, enquanto se esforçava para manter vivo o marido, que era capaz apenas dos movimentos mais básicos, como respirar, engolir, abrir e fechar os olhos. Ainda assim ela se revoltava quando alguém sugeria eutanásia (com a desculpa de ”interromper o sofrimento”), pois acreditava que o certo era dar a ele a chance de se recuperar. Todos os dias, Gertruda falava com o esposo como se ele pudesse ouvir, cuidava para que ele não ficasse muito tempo na mesma posição na cama, virando seu corpo para evitar as temidas úlceras de pressão, comuns em pessoas acamadas, quem podem levar à morte por infecção. Os filhos foram crescendo, se casaram, e lhes deram netos. Gertruda levava o marido para todas as principais destas da família, como se pudesse participar delas.

A incansável Gertruda teve sua suas recompensa em 2007. Após dezenove anos em coma, Jan finalmente despertou, aos 65 anos. Os médicos creditaram a recuperação à esposa, que optou pelo caminho mais árduo. Jan estava ainda mais ligado a ela, pois se lembra de que Gertruda esteve ao seu lado quando ele mais precisava. Ela fez o que era certo e melhor para ele, abrindo mão de sua própria vida para cuidar do marido, sem cobrar nada dele por isso. Acreditou , quando nem os médicos acreditaram, esperou, perseverou… e foi recompensada.

Durante o coma, Gertruda descrevia o esposo como ”um cadáver vivo”, mesmo assim permaneceu ao seu lado. Não houve sentimento no q ela fez, nem romance, foi puro sacrifício, o verdadeiro amor. Mas você consegue pensar em uma atitude mais romântica? Nenhuma história de amor é mais bonita do que as que envolve o amor sacrificial. Gertruda recebeu uma merecida medalha de honra ao mérito do presidente polonês, por sua dedicação e sacrifício, tamanha a raridade desse tipo de amor nos dias atuais.

Diante da realidade que Gertruda viveu por dezenove anos, as perguntas são inevitáveis: O que você teria feito no lugar dela? E o que são os problemas que você tem enfrentado no seu casamento? Como desistir do seu cônjuge?

O amor verdadeiro é o amor marcado pelo sacrifício. É caro. Amor não é sentimento. Ele inclui sentimentos, mas não é definido por eles. O mundo tem associado amor com sentimento em uma receita bastante indigesta: pega a palavra ”amor”, a vontade de estar juntos, o ciúme, a cobiça, o desejo sexual… junta tudo e, através do cozimento na musica, nos filmes, na arte em geral, faz o público acreditar que isso é amor. Não é. É pirataria. O que define o amor são duas coisas conectadas: Fazer o que é certo para a outra pessoa e sacrifício.

Somente o amor sacrificial é capaz de vencer tudo. É o amor caro, genuíno. Cuidado comi imitações baratas.

Por: Renato Cardoso (extraído do livro ”Casamento Blindado”)

Hábito não Atraente N°2- Insegurança Constante

“Eu pareço gorda com essa roupa?”

“Você ainda me ama?”

“Você acha que ela é mais bonita do que eu?”

“Eu sou bastante atraente para você?”

A insegurança constante deixa os homens furiosos e alimenta a ilusão do seu ego de que você é deficiente em alguma coisa e ” menos que” alguma coisa. Quando você acolhe os pensamentos de insegurança, você cava um buraco sem fundo que nunca oide ser preenchido, independentemente de quantas promessas receba. Isso aconte porque a ideia de que você é “menos que” é falsa. Ela é uma ilusão. Uma ilusão nunca pode ser eliminada porque, antes de tudo, não é algo real.

A insegurança e falta de confiança pertencem ao conjunto humano natural de emoções e nunca desaparecerão completamente. Tenha certeza que todo mundo no planeta tem sentimentos de “Eu não sou boa o suficiente” aqui e ali. A chave para ser irresistível não é favorecer ou impedir que esses pensamentos surjam. Não resista a eles também! Simplismente permita-se notar ou observar aqueles sentimentos e dizer “Hum… não é interessante?”, ou, melhor ainda, “Estou pensando naquilo de novo… E daí?” e redirecione sua atenção para o exterior. Quando surgirem sentimentos de insegurança, permita-lhes simplismente passar pela sua mente como nuvens flutuando pelo céu.

Não bloquear pensamentos inseguros é uma habilidade que pode ser aprendida e sem dúvida uma obrigação, se você quer ser irresistível. É como se você pudesse tanto investir em sua falta de confiança como na sua irresistibilidade. Eu sugiro a última.

Aqui está uma dica: se você acha que aparenta estar gorda quando usa determinada roupa, provavelmente você está mesmo. Eu sei que parece cruel, mas é verdade. em todas as roupas foram feitas para todos os tipos de corpo. Prefira roupas em que você sabe que fica fantástica e que ressaltem seus atributos. Abra o guarda-roupa com uma amiga de confiança e elimine as roupas que fazem você se perguntar: “Eu pareço gorda?”.

Aqui está outro ponto importante. Não importa o quão magra, bem-sucedida ou atraente você seja, a insegurança não desaparece. Isso acontece porque você nunca consegue discernir um falso pensamento interno de uma realidade externa. É como tratar o sintoma em vez de curar a doença. O modo de curar a doença da insegurança é se permitir sentir-se insegura (em outras palavras, não resistir a ela). Mas também não insista nela. Em vez disso, direcione a sua atenção para o q está acontecendo ao seu redor. O que pode significar ouvir uma conversa até o fim, ou tomar uma atitude de organizar a sua mesa. Onde quer que você concentre a sua atenção a sua atenção, a energia flui. Se você simplismente notar pensamentos de insegurança sem tomá-los como pessoais ou fazer com que eles adquiram algum significado, verá que eles ocorrerão com menor frequência. Você também e comprometida em sua vida — que é a chave para libertar a sua autêntica irresistibilidade.

Para ser honesta, a maioria de nossos pensamentos é pura tagarelice mesmo (sim, é um termo científico). Nada tem sentido, além daquele que atribuimos. Com a prática, podemos treinar para não levar nossos pensamentos tão a sério ou para o lado pessoal — especialmente os que não são estimulantes. Quando eles aparecem, simplismente diga “Obrigada por me avisar”, e siga sua vida.

Por: Marie Forleo

10 Característica que definem a Mulher Poderosa

1. Ela mantém a própria independência.
Não importa se ela é garçonete ou empresária. Ela gosta do que
faz e da capacidade de se sustentar com seu trabalho.
2. Ela não corre atrás do homem.
A lua, o sol e as estrelas não giram em torno dele. Ela não corre
atrás do homem nem vigia seus passos. Ele não é o centro do
Universo.
3. Ela é misteriosa.
Existe uma diferença entre ser verdadeira e dizer tudo o que
sente. A mulher poderosa escolhe o que quer revelar e tem um
universo próprio. Nesse sentido, ela é imprevisível e desperta a
curiosidade.
4. Ela deixa espaço para que ele sinta saudade.
Ela não o vê todas as noites, não deixa longas mensagens em
sua caixa postal nem se torna íntima da secretária dele logo
após o primeiro encontro. Os homens gostam de sentir falta da
mulher – isso os estimula.
5. Ela procura resolver os próprios problemas.
Ela não despeja sobre ele suas preocupações, sobretudo no início
do relacionamento. Busca outros recursos, reflete e, se acha
conveniente, divide com ele as questões resolvidas. Procura
acalmar-se antes de conversar.
6. Ela mantém o controle.
Ela vai devagar, principalmente quando ele tem pressa. Ela se
move no próprio ritmo, e não no dele, evitando que ele assuma
o controle sobre ela.
7. Ela não perde o senso de humor.
O senso de humor dá leveza à relação e demonstra seu desprendimento.
Entretanto, ela é capaz de tratar com seriedade
qualquer questão que ele levante.
8. Ela se valoriza.
Quando ele a elogia, ela agradece e não tenta convencê-lo de
que está enganado. Ela não pergunta sobre a ex-namorada dele
e não compete com outras mulheres.
9. Ela tem paixão por outras coisas além dele.
Uma mulher com múltiplos interesses é muito mais fascinante
do que aquela cujo único foco parece ser o homem. Como ela
tem vida própria e independente, ele terá uma parceira com
quem trocar experiências. E a mulher poderosa não se sente sozinha
e relegada a segundo plano quando ele está ocupado com
outras coisas.
10. Ela trata o próprio corpo com gosto e entusiasmo.
Ela cuida da aparência e da saúde. A auto-estima e o respeito de
uma pessoa por si mesma se refletem na aparência física. Ela
não deixa de usar batom vermelho porque ele não gosta dessa
cor. Também não abre mão de se cuidar só para ficar mais
tempo com ele. Mesmo porque um homem que não deseja que
a mulher se cuide não merece qualquer atenção. Fuja dele!